Pontífice afirmou durante a representação da via-crúcis, em Copacabana, que muitos jovens perderam a fé nas instituições políticas; vítimas do incêndio da boate Kiss foram lembradas




Um ataque contra o egoísmo da classe política e sua corrupção, contra o racismo, fome, intolerância religiosa, perseguição ideológica e drogas. Marcando a Igreja com seu estilo, o papa Francisco deu nesta sexta-feira, 26, à via-crúcis um sentido político e social. Na praia de Copacabana, o papa levou milhares de jovens para acompanhar a encenação. Mas, já deixando claro que seu pontificado dará uma dimensão social ao evangelho, optou por transformar a imagem das estações do sofrimento de Jesus em uma alusão aos desafios atuais da sociedade. "Jesus com a sua cruz atravessa os nossos caminhos para carregar os nossos medos, os nossos problemas, os nossos sofrimentos, mesmo os mais profundos. Com a Cruz, Jesus se une ao silêncio das vítimas da violência, que já não podem clamar, sobretudo os inocentes e indefesos", declarou.


"Jesus se une às famílias que passam por dificuldades, que choram a perda de seus filhos ou que sofrem vendo-os presas de paraísos artificiais como a droga", disse o papa, em mais uma referência nesta viagem ao problema da dependência química. Outro alerta de Francisco é para o desafio da fome, numa crítica explícita ao desperdício de setores inteiros da sociedade, enquanto milhões não tem o que comer. "Jesus se une a todas as pessoas que passam fome, num mundo que todos os dias joga fora toneladas de comida", alertou.


Leia Papa pede a jovens que não desanimem nem percam a esperança na luta contra a corrupção


No discurso, falou pela primeira vez do racismo presente na sociedade, além dos problemas de intolerância religiosa. "Jesus se une a quem é perseguido pela religião, pelas ideias ou pela cor da pele", apontou. O tradicional ato de devoção da Igreja não escapou ao estilo que o papa começa a implementar, transformando a Igreja em um centro do debate inclusive político. "Jesus se une a tantos jovens que perderam a confiança nas instituições políticas, por egoísmo e corrupção", declarou o papa.


"Na Cruz de Cristo, está o sofrimento, o pecado do homem, o nosso também, e Ele acolhe tudo com seus braços abertos, carrega nas suas costas as nossas cruzes e nos diz: Coragem! Você não está sozinho a levá-la! Eu a levo com você. Eu venci a morte e vim para lhe dar esperança, dar-lhe vida", disse Francisco. Ele ainda lembrou que o primeiro nome dado ao Brasil foi justamente o de "Terra de Santa Cruz". "A Cruz de Cristo foi plantada não só na praia, há mais de cinco séculos, mas também na história, no coração e na vida do povo brasileiro e não só: o Cristo".


Qual sua opinião sobre o assunto?


3 Comentários
 
Topo