Em nota, a assessoria do governo do Rio de Janeiro, negou que houve aumento de gastos




Com R$ 27,9 milhões empenhados em publicidade no mês de julho deste ano, o governo de Sérgio Cabral (PMDB) gastou 240% além da média dos seis meses anteriores para o mesmo fim, conforme um levantamento publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo neste sábado. No mês seguinte aos protestos de junho, que causaram queda generalizada na popularidade de Cabral e outros governantes, a administração do Rio mais que dobrou a divulgação de suas ações. Até o fim de julho, os empenhos apenas para propaganda somavam R$ 76,8 milhões.

Leia Manifestante do Rio morre por complicações pulmonares após inalar gás lacrimogêneo


Desde 2007, o governo de Cabral, eleito com discurso crítico ao excesso de propaganda oficial, destinou quase R$ 1 bilhão para agências de publicidade. Já foram pagos R$ 880 milhões, corrigidos pelo IPCA. O governo,nega anormalidades nessas despesas. Os empenhos de julho representam também crescimento expressivo em comparação a julho de 2012: são 39,5% a mais sobre que os R$ 20 milhões de um ano atrás. Em nota, a assessoria do governo do Rio de Janeiro negou que houve aumento de gastos com publicidade. Confira o comunicado na íntegra:


"Conforme encaminhado ao respeitado veículo de mídia que publicou a matéria, deixamos claro que: não houve aumento de gastos com publicidade no Governo RJ em julho deste ano ou em qualquer momento em 2013. E que o fato de haver mais empenhos em determinado mês não quer dizer que mais gastos tenham sido feitos naquele mês. O empenho é o ato em que se declara que há recursos orçamentários para serem gastos. Empenho não é o ato de gastar recursos. Empenhos não têm relação temporal direta com realização de campanhas publicitárias. Cabe ressaltar, inclusive, que não há exibição de novas campanhas publicitárias. O Governo do Estado RJ não faz despesas em nenhum ano acima do valor previsto nos contratos de publicidade. O mesmo ocorrerá neste 2013."

Leia Sob onda de protestos, Cabral promete deixar governo até abril para dar visibilidade ao vice




Terra




0 Comentários
 
Topo