Deficiente não ouviu chamado da Polícia; único disparo dado acertou o tórax da vítima que morreu na hora


A Polícia Militar atirou e matou um deficiente mental e auditivo que desobedeceu a ordem de parada nesta tarde (7) em Cuiabá. O homicídio aconteceu na região do Monte Líbano, quando várias pessoas saíam do trabalho e passavam pelo local. De acordo com a própria PM, a vítima identificada como Ademar Silva Oliveira Junior, 19, estava armada com uma faca de mesa na cintura quando a viatura chegou. Ele não obedeceu a ordem de parada e avançou no policial que atirou em seu abdômen.

“Apenas um tiro foi disparado. Nós fomos chamados para atender uma ocorrência de ameaça, onde um homem estava armado. Chegamos e ele não atendeu nossa ordem e partiu pra cima da guarnição e nesse momento um tiro foi disparado. Vale ressaltar que nosso disparo é para neutralizar a situação. Nenhum policial atira para matar”, afirmou o tenente do 10º Batalhão Reiners.

O pai da vítima, Ademar Oliveira, compareceu ao local após ficar sabendo do caso e disse que o filho é deficiente mental desde que nasceu e também é deficiente auditivo. “Meu filho toma quatro tipos de remédios diferentes por dia. Ele é surdo e com certeza não ouviu o sinal de parada. Não precisava atirar para matar. Ele é meu caçula de cinco filhos. Minha família está arrasada, mas quem acha que vamos deixar isso impune está errado. A Polícia matou uma pessoa do bem”, gritou o pai no meio da população.


Questionado sobre o tiro em local vital, o oficial de área do 10º Batalhão voltou a afirmar que a ação não era para matar. “Não atiramos para matar ninguém. Infelizmente pegou em um lugar onde foi fatal. É uma fatalidade que ninguém esperava”, comentou o oficial.



Os policiais do 10º Batalhão continuam no local aguardando a chegada dos agentes da Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) e dos peritos do Instituto Médico Legal (IML).

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto!

Fonte: Hiper Notícias
4 Comentários
 
Topo