Página, chamada de "ZunZuneo", foi elaborada pela Usaid, agência responsável por fornecer fundos a países pobres O governo dos Estados Unidos criou secretamente uma rede social semelhante ao Twitter que visava estimular agitação política e dissidência em Cuba, de acordo com uma investigação da AP (Associated Press), divulgada nesta quinta (03/04).

Com acesso a mais de mil páginas de documentos, a agência de notícias norte-americana revelou que o desenvolvimento deste serviço pretendia invadir os rígidos filtros de internet na ilha e desestabilizar o governo de Raúl Castro. O programa ZunZuneo – nome inspirado no canto do “zunzún” (beija-flor, em espanhol) - foi financiado e gerido pela Usaid (Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional), entidade responsável por oferecer dinheiro de ajuda humanitária para os países pobres.

Página da Zunzuneo: Apesar da questionável legalidade, a Usaid diz que suas empreitadas em Cuba estavam dentro da lei 
A ideia era construir uma grande rede social que permitisse aos cubanos se comunicar uns com os outros gratuitamente para além do alcance da internet controlada da ilha. Com isso, as autoridades norte-americanas forneciam aos usuários informações do mundo exterior. Segundo os documentos revelados pela AP, os líderes da ZunZuneo planejavam tirar Cuba "da inércia mediante iniciativas táticas para um processo de transição democrática".

Por meio de uma lista de números de telefone obtidos a partir de um trabalhador do Cubacel (empresa de telecomunicações estatal cubana), a Usaid começou inicialmente a oferecer conteúdos “não-controversos”, como futebol e música. Com o tempo, a rede ZunZuneo passou a enviar textos mais engajados politicamente, com o intuito de desencadear manifestações contra o governo castrista e "renegociar o equilíbrio de poder entre Estado e sociedade”, segundo um dos documentos da agência.

 Longe de suspeitas

O projeto da rede social começou em 2009 e operou durante dois anos. Em seu auge, o programa tinha mais de 40.000 assinantes, majoritariamente jovens cubanos propensos a buscar mudanças políticas na ilha. Para afastar suspeitas da inteligência cubana, a agência utilizou uma rede de empresas fantasmas cadastradas em uma conta bancária das Ilhas Cayman para ocultar transações financeiras. Com o desígnio de parecer uma empreitada legítima, a agência também criou um portal na internet com o mesmo nome e usou falsos banners (anúncios publicitários online). Além disso, a ZunZuneo também realizava pesquisas de mensagem de texto para reunir informações sobre os usuários da rede social. Com isso, os agentes analisavam dados como idade e tendências políticas de seus assinantes.

Ascensão e queda

O programa, no entanto, revelou-se insustentável. Em meados de 2012, a rede social desapareceu por falta de financiamento e de doações do governo, alega a Usaid. De acordo com documentos, a agência teria pedido financiamento ao co-fundador do Twitter, Jack Dorsay – mas ele negou comentar o caso à AP. Embora a Usaid tenha se recusado a afirmar à Associated Press se o governo de Barack Obama estava ciente da ZunZuneo, a legislação norte-americana exige autorização presidencial para qualquer operação secreta federal.

“É absolutamente crucial para o êxito a longo prazo do serviço e para garantir o cumprimento da missão que não seja mencionada a participação do governo dos EUA”, dizia um relatório da Mobile Acord – uma das empresas contratadas. Apesar da questionável legalidade da operação, a agência diz que suas empreitadas em Cuba estavam dentro da lei tanto quanto a sua missão humanitária. "A Usaid é uma agência de desenvolvimento, não de inteligência.

Nós trabalhamos em todo o mundo para ajudar as pessoas a exercerem os seus direitos e liberdades fundamentais e dar-lhes acesso a ferramentas para melhorar suas vidas e se conectar com o mundo exterior", declarou o porta-voz da Usaid, Matt Herrick, à AP.

Frente à propagação da reportagem investigativa, um porta-voz do Departamento de Estado disse nesta quinta à NBC News que “o Congresso financia programas de democracia para ajudar os cubanos a terem maior acesso à informação e fortalecer a sociedade civil”.

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto!

Fonte: Opera Mundi


0 Comentários
 
Topo