Karen Hudes, despedida por revelar informações sobre a corrupção no Banco Mundial, explicou com detalhes os mecanismos bancários para dominar nosso planeta Karen Hudes é graduada pela Escola de Direito de Yale e trabalhou no departamento jurídico do Banco Mundial por 20 anos.

Na qualidade de "assessora jurídica superior", teve acesso a suficiente informações para obter uma visão global de como as elites dominam o mundo. Assim, o que ela diz não é uma "teoria da conspiração" a mais. De acordo com a advogada, citada pelo portal Exposing The Realities, a elite usa um núcleo fechado de instituições financeiras e corporações gigantes para controlar o planeta. Citando um explosivo estudo suíço publicado em 2011, na revista Plos One, sobre a "rede de controle corporativo global", Hudes assinalou que um pequeno grupo de entidades, em sua maioria instituições financeiras e bancos centrais, exercem uma enorme influência sobre a economia internacional, dos bastidores.

"O que realmente está acontecendo é que os recursos do mundo estão sendo dominados por este grupo", explicou a especialista com 20 anos de experiência no Banco Mundial, acrescentando que "os capturadores do poder corruptos" conseguiram dominar também os meios de comunicação também. "É permitido a eles fazer isso", garantiu.

O estudo suíço foi feito por uma equipe do Instituto Federal Suíço de Tecnologia de Zurich. Os pesquisadores estudaram as relações entre 37 milhões de empresas e investidores em todo o mundo e descobriram que existe uma "super-entidade" de 147 mega-corporações muito unidas e que controlam 40% de toda a economia mundial. Mas as elites globais não apenas controlam estas mega-corporações. Segundo Hudes, também dominam as organizações não eleitas e que não prestam contas, mas controlam as finanças de quase todass as nações do planeta. Trata-se do Banco Mundial, do FMI e dos bancos centrais, como a Federal Reserve estadunidense (e o Banco Central brasileiro, entre tantos - n do T), que controlam toda a emissão de dinheiro e sua circulação internacional.

O banco central dos bancos centrais

A cúpula deste sistema é o Banco de Pagamentos Internacionais, o banco central dos bancos centrais. "Uma organização internacional imensamente poderosa, da qual a maioria nem sequer ouviu falar, controla secretamente a emissão de dinheiro do mundo todo. É o chamado Bank for International Settlements, o banco central dos bancos centrais. Está sediado em Basiléia, Suíça, mas tem sucursais em Hong Kong e na Cidade do México. É essencialmente um banco central do mundo, não eleito e que tem completa imunidade em matéria de impostos e leis internacionais (...)

Hoje, 58 bancos centrais a nível mundial pertencem ao BIS e têm sobre a economia dos Estados Unidos como de qualquer país, mais poder que qualquer político. A cada dois meses, os presidentes dos bancos centrais se reúnem em Basiléia para uma 'Cúpula de Economia Mundial'. onde se tomam decisões que afetam todo homem, mulher e criança do planeta e nenhum de nós tem voz no que se decide. O Banco de Pagamentos Internacionais é uma organização que foi fundada pela elite mundial, que opera em benefício de si mesma e cuja finalidade é seu uma das pedras angulares do futuro sistema financeiro global unificado".

De acordo com Hudes, a ferramenta principal para escravizar nações e governos inteiros é a dívida. "Querem que sejamos todos escravos da dívida, querem ver todos os governos escravos da dívida e querem que nossos políticos sejam usuários das grandes contribuições financeiras que eles canalizam em suas campanhas eleitorais. Como a elite também é dona dos principais meios de comunicações (e controla a esmagadora maioria - n do T), esses veículos nunca revelarão o segredo de que há algo fundamentalmente errado no modo de funcionamento do nosso sistema", ela assegurou.

Assista ao vídeo em inglês Karen Hudes exposes the Global Puppet Masters:



Assista ao vídeo World Bank Scandal & JFK killed over Gold Backed Dollars - Karen Hudes:


Comente abaixo sua opinião sobre o assunto!

Conheça o site dela aqui.
Fonte: RT


0 Comentários
 
Topo