As imagens a seguir são um aperitivo da violência gratuita da polícia militar do Rio de Janeiro contra manifestantes que protestavam pacificamente, na praça Saens Pena, zona norte da cidade, na tarde de hoje. O ato reuniu cerca de mil pessoas e unificou inúmeras bandeiras, como "Fifa Go Home" e "A festa nos estádios não vale as lágrimas na favela".

Momentos depois da dispersão do protesto, o cineasta canadense Jason Ohara foi agredido por PMs que, em seguida, roubaram a câmera GoPro que estava presa ao capacete de Jay.

Lista de profissionais de comunicação feridos/detidos/agredidos
Fonte: Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro Jornalistas e comunicadores agredidos:
Samuel Tosta – diretor do Sindjor-Rio – freelancer - ferido nas costas por estilhaços de bomba
Gizele Martins – diretora do Sindjor-Rio – editora do jornal Cidadão – crise de asma por inalação de gás lacrimogêneo
Mauro Pimentel – repórter fotográfico do Terra – chutado e golpeado no rosto e nas pernas com cassetete, teve a lente da câmera quebrada e a máscara de gás quebradas
Ana Carolina Fernandes – repórter fotográfica da Agência Reuters – teve a máscara de gás arrancada por um PM que a atacou com spray de gás de pimenta
Boris Mercado – repórter fotográfico peruano – chegou a ser detido e agredido Jason O’Hara – repórter cinematográfico canadense – internado no Hospital Municipal Souza Aguiar em decorrência dos ferimentos Oswaldo Ribeiro Filho - jornalista da agência inglesa Demotix - teve uma bomba de gás jogada em seu rosto

Filipe Peçanha – comunicador da Mídia Ninja – vítima de espancamento por oito PMs e a lente da câmera quebrada.
Leo Correa – repórter fotográfico freelancer – vítima de agressões físicas por PMs.
Tiago Ramos – jornalista do SBT Rio – ferido por estilhaços de bomba em um dos braços.
Luigi Spera – Jornalista italiano – vítima de agressões físicas por PMs.
Aloyana Lemos – documentarista – detida com violência por PMs e levada para a 21ª DP (Bonsucesso) Bernardo Guerreiro – comunicador da Mídia Ninja - teve sua lente quebrada e foi agredido com spray de pimenta no olho a curta distância
Augusto Lima – jornalista do Coletivo Carranca – teve o celular quebrado quando foi agredido a golpes de cassetete.
Loldano da Silva – repórter fotográfico – agredido com dois golpes de cassetete no braço esquerdo, levado para o Souza Aguiar.

Assista abaixo o relato do cineasta canadense e agressão da PM



Comente abaixo sua opinião sobre o assunto!

0 Comentários
 
Topo