“Eu operava vários perfis falsos. A ordem era descer o pau nos adversários”, diz estudante


A matéria é de 2013, mas ainda é atual, pois o mesmo pode continuar sendo utilizado em diversos outros lugares no país. O governo Dilma admitiu em documento oficial da Secretária de Comunicação que se utilizou de perfis falsos, robôs além de toda a militância paga, para atacar adversários e defender o governo nas redes sociais. Mais sobre a guerrilha virtual armada pelo governo que ainda é existente, pública e notória, pode ser encontrada nos motores de busca, faça a sua pesquisa, você encontrará diversas fontes, sobre o governo se utilizar do seu dinheiro para te combater, convencer e intimidar na internet.

Lembrando que uma pessoa pode controlar 10, 50, 100 perfis e páginas, você pode achar que está conversando com diferentes perfis e/ou movimentos mas na verdade todos são teleguiados pelo mesmo meio com o intuito de manipular você e te utilizar como massa de manobra. Não se deixe enganar.

Lembrando 2, em plena crise, aumento de impostos, corte de direitos, a Dilma tomou uma medida que não surtirá qualquer tipo de efeito: a propaganda. Ela autorizou o governo a gastar R$ 56 milhões dos seus impostos em publicidade para te convencer de que o governo está bom, enquanto na realidade eles não tomaram nenhuma medida efetiva do corte dos seus próprios gastos.

Leia também:

Manipulação: Documento vazado do governo assume uso de robôs na internet e outras práticas
http://www.anonymousbr4sil.net/2015/04/manipulacao-documento-vazado-do-governo.html

Universitários recebem do PT R$2 mil por 3 horas de trabalho para "combater a direita", descontruir e atacar opositores
http://www.anonymousbr4sil.net/2015/04/universitarios-recebem-do-pt-r2-mil-por.html

Desde 2011 PT financia e treina 'milícia virtual' para atuar em redes sociais
http://www.anonymousbr4sil.net/2014/01/pt-treina-patrulha-virtual-para-atuar.html

PT cria evento de R$ 400 mil para treinar ativistas na internet
http://www.anonymousbr4sil.net/2014/03/pt-cria-evento-de-r-400-mil-para.html

Pepper, que faz guerrilha virtual para o PT, desiste de contrato de R$6,4 milhões por ano
http://www.anonymousbr4sil.net/2015/09/pepper-que-faz-guerrilha-virtual-para-o.html

Dilma Bolada recebe R$ 20 mil da Pepper, agência que faz guerrilha virtual para o PT
http://www.anonymousbr4sil.net/2015/08/dilma-bolada-recebe-r-20-mil-da-pepper.html






Leia com atenção:

Entenda como funcionava, em Brasília, a fábrica de perfis falsos que espalhavam calúnias contra políticos (opositores em geral) na internet


“Eu operava vários perfis falsos. A ordem era descer o pau nos adversários”
Eugênia Pereira de Arruda, estudante (Foto: Cristiano Mariz)

Fantasmas Profissionais

Agência de publicidade que trabalha para o governo do DF contratou empresa que frauda perfis na Internet para elogiar o governador e difamar adversários.
Por alguns segundos, o cabeleireiro Mario Gular conseguiu a atenção do deputado Roberto Freire, o presidente nacional do PPS. Tempo mais que suficiente para provocar um estrago. “Freire é cada vez mais ridículo, se vendeu para a extrema direita. Usa foto de há vinte anos”, provocou o rapaz em sua conta no Twitter.

O parlamentar decidiu responder: “Não lhe sigo e nem o conheço. Estranho portanto que venha me agredir chamando-me de ridículo”. A discussão foi replicada pelos seguidores do cabeleireiro, pelos seguidores do deputado, pelos seguidores dos seguidores de cada um deles e se espalhou pela rede.

Divulgada assim, a informação pode atingir milhares de pessoas e até levar incautos a acreditar que Freire, um político correto, possa ter cometido alguma transgressão. Porém, o único fato verdadeiro da mensagem é que o deputado não conhece o cabeleireiro – e nem poderia, porque ele não existe.


Crime: Lucia Pacci e Mario Gular não existem, apesar de terem milhares de seguidores nas redes sociais.
Eles foram criados por uma empresa de Brasília para esconder a verdadeira identidade dos
difamadores profissionais do mundo virtual (Imagem: Reprodução do blog da falsa jornalista Lucia Pacci)

Gular é um dos inúmeros perfis falsos criados no mundo virtual para esconder a verdadeira identidade dos difamadores profissionais remunerados para denegrir a imagem de pessoas honestas e atacar adversários políticos.

O caso envolvendo Roberto Freire não chegou a causar maiores danos à biografia do parlamentar. O mesmo não se pode dizer de outro episódio envolvendo o também deputado Fernando Francischini, do PSDB do Paraná. Em 2012, circulou pela internet um dossiê chocante, que teria sido produzido por uma organização internacional de defesa de direitos humanos.

Trazia fotos – verdadeiras – de cadáveres mutilados, cenas de torturas e mortes ocorridas supostamente em presídios do Espírito Santo. Trazia informações – também verdadeiras – produzidas pelo Ministério Público Federal sobre a degradante situação carcerária do estado.

E apontava o deputado Francischini, ex-subsecretário de Segurança, como o responsável pela barbárie – o que é absolutamente falso.


“Traduzi os documentos para o inglês. Só depois descobri que era uma armação contra o deputado”,
Márcia Godoy, professora (Foto: Cristiano Mariz)


Para dar ares de autenticidade ao material e dificultar um eventual rastreamento, o dossiê foi redigido em inglês e distribuído a partir de um computador localizado na cidade de Atlanta, nos Estados Unidos.
No Brasil, o documento forjado foi divulgado no blog da jornalista Lucia Pacci e replicado múltiplas vezes por figuras também inexistentes como Vivian Marquez e outros.

Conhecido pela militância em defesa dos direitos humanos no período da ditadura, o petista Luiz Eduardo Greenhalgh, ex-deputado, se apressou em sentenciar: “Enfrentei o delegado Fleury na ditadura. Mas nem ele torturou como na gestão do deputado Francischini”.

Se um experiente advogado como Greenhalgh acreditou na história, a ponto de comparar o parlamentar a um dos mais cruéis torturadores da história, imagine o efeito que uma notícia assim tem sobre pessoas menos informadas. É esse o público-alvo dos difamadores.


Maldades: Lucia Pacci e Mario Gular se apresentam nas redes sociais respectivamente como jornalista e cabeleireiro. Nenhum deles
existe no mundo real. Foram criados por uma empresa para espalhar mensagens difamatórias contra desafetos e para elogiar o governo do Distrito Federal (Imagem: Reprodução do twitter de Mario Gular)


O falso dossiê foi produzido numa mansão em Brasília, onde funciona uma empresa especializada no ramo do sobrenatural – a Sarkis Comunicação. Lá, trabalham cerca de dez pessoas, inclusive a jornalista Lucia Pacci, o cabeleireiro Mario Gular, Vivian Marquez, Laura Tabor, Linda Franco… – os fantasmas profissionais.

Lá, até março deste ano, trabalhou a professora Márcia Godoy dos Santos – essa de carne e osso -, responsável por alimentar vários perfis falsos, entre eles o de Lucia Pacci.

Uma das tarefas da professora foi transpor para o inglês o dossiê fajuto contra o deputado Francischini: “Um dia, eles chegaram para mim e disseram que tinham uma missão muito confidencial. Me entregaram um material e pediram para traduzir para o inglês. Cheguei a passar mal quando vi aquelas fotos de gente esquartejada. Eles explicaram que a denúncia partiria do exterior, por isso precisava ser escrita em inglês. Só depois descobri que era uma armação contra o deputado”.




O cara: O governador Agnelo Queiroz: elogios e celebração ao “excelente” governo (Foto: Sérgio Lima / Folhapress)

A professora Márcia trabalhou durante dois anos na empresa Sarkis, que usa o nome fantasia de Painel Brasil TV. Ela era uma das encarregadas de administrar fantasmas como Mario Gular e outros.


O falso dossiê do deputado Francischini foi divulgado no blog da “jornalista” Lucia Pacci e replicado pelos fantasmas operados pela estudante Eugênia Pereira de Arruda. “Eu recebia os textos prontos e divulgava na lista de perfis falsos sob minha responsabilidade”, conta ela. “A ordem deles era sempre descer o pau nos adversários.”



Covardia: O publicitário Sergio Diniz, o chefe dos fantasmas: autor e divulgador do falso dossiê (Foto: Sérgio Lima / Folhapress)
Adversários de quem? Do governador do Distrito Federal, o petista Agnelo Queiroz, garante ela. A estudante diz que ouviu isso da boca dos próprios patrões, o casal Sergio Diniz e Rosa Sarkis: “A gente sempre entrava para reagir quando tinha alguém atacando o governador ou o governo”. O dinheiro que financiava a turma, de acordo com as ex-funcionárias, vinha da agência de publicidade Agnelo Pacheco.

Em agosto de 2013, Veja procurou os donos da empresa no endereço indicado pelos fantasmas.
Encontrou lá o publicitário Sergio Diniz, que, segundo as ex-funcionárias, também responde pelos pseudônimos de Mario Gular e Lucia Pacci. O publicitário disse que seu ramo de negócios nada tem a ver com o mundo sobrenatural. Ele nunca ouviu falar de Lucia Pacci, fantasmas ou dossiês. Ganha a vida, garante, oferecendo cursos de treinamento de mídia.


Vítima: O deputado Fernando Francischini:
montagem simulava uma denúncia internacional
O resto é uma mera sucessão de coincidências. Diniz confirmou que tem como cliente a agência de publicidade Agnelo Pacheco. A agência, por coincidência, administra a conta publicitária do governo do Distrito Federal. Também é coincidência o fato de Diniz ter trabalhado na campanha do governador petista, de quem se diz amigo e admirador.

Francischini, por coincidência, é adversário de Agnelo Queiroz. E uma das últimas coincidências: os fantasmas autorizados a “descer o pau nos adversários” também dedicam momentos únicos de ternura e admiração a um único político. Nem precisa dizer quem é o felizardo governador.


Fonte:  Ricardo Setti - Veja




Entenda como funcionava, em Brasília, a fábrica de perfis falsos que espalhavam calúnias contra políticos (opositores em...

Posted by AnonymousBrasil on Terça, 10 de novembro de 2015





































0 Comentários
 
Topo