É você quem pensa ou é a KGB que pensa por você? Ser anti-americano é moleza, difícil ver anti-russo (KGB), anti-china (PCC), anti-fidel e outros países dominados por governos que não permitem liberdade pra suas populações... Pesquise a verdade e não seja instrumento de manobra pra destruição e dominação de países. Nós da AnonymousBr4sil recomendamos que você ajude a difundir os materiais da StB no Brasil que está expondo manipulações que foram ocultadas da sociedade e requer atenção. Seja 'anti-algo' por motivos, pesquisa, não por manipulação/alienação com intenções que você talvez não saiba. Essas supostas revoluções anti-EUA deram literalmente milhares de problemas pros países que se deixaram arrastar. Antes dos EUA existirem como nação o mundo já enfrentava milhares de problemas e não é com o seu fim que o planeta Terra se tornará um paraíso com gatos de botas, unicórnios e outras coisas mais. Nós da @AnonymousBr4sil somos 'anti-qualquer governo opressor' e jamais vamos incentivar a guerra entre países, dominações. Lutamos pela preservação da espécie humana como prioridade e regimes que mais promoveram dores foram justamente aqueles dominados por ditadores Comunistas que sempre usam as pessoas como massa de manobra pra alcançar seus objetivos... Saudades da época que aliciamento de menores era crime, haja visto a manipulação da infância e juventude no Brasil com estas supostas 'ocupações'... Pesquise sobre as agendas mundiais de dominação dos países e implementação total do Comunismo.

A revolução francesa prometeu salvar a França pela destruição do antigo regime: destruiu a França

A revolução mexicana prometeu salvar o méxico destruindo a igreja católica. Transformou o país do maior destribuidor de drogas pro mundo e criou uma quantidade de miseráveis que corre pra assistencia social americana.

A revolução Russa prometeu salvar a rússia destruindo o capitalismo. Transformou a Rússia num cimitério numa pobreza em consultiox

A revolução chinesa prometeu salvar a china pela destruição da cultura burguesa. Transformou a China num matadouro sem fim e numa pobreza e escravidão inominavel.

A revolução cubana prometeu salvar cuba pela destruição dos usurpadores imperialistas. Transformou numa prisão de mendigos.

A revolução socialista na Venezuela prometeu por pra fora os 'americanos' mas deram de graça suas riquezas naturais pra China e Rússia. Resultado: um dos países mais afetados pelo Foro de São Paulo.

E a 'revolução brasileira'? Já aconteceu na surdina e muitas pessoas nem imaginam isto. Tem muito pra dizer até antes daqui mas agora queremos frizar um assunto que passa batido: Constituição de 1988 com o 'Assistencialismo' feita antes da queda do muro de Berlim... Claro que esta conta não fecha e uma hora a fatura chega... e chegou. E vai continuar caso algo não seja feito...

Não permita que sua mente, desejo e vontades sejam controlados por manipulações. Faça e seja por vontade própria e não por indução, alienação, falta de pesquisas, analfabetismo funcional...





Texto da StB:
Instruções da StB sobre o antiamericanismo nos respectivos países da América Latina. Ano de 1963. A diretoria da seção dedicada à América Latina (AL) do serviço de inteligência da Tchecoslováquia, no final de novembro de 1963, enviou instruções destinadas a todas as rezidenturas (base no exterior) do serviço de inteligência da StB (Departamento I) nos países da AL. Logo de início, a diretoria da seção afirma que foi feita uma análise sobre as lacunas “de nosso trabalho na linha de operações ativas” e que chegou à conclusão de que o trabalho se caracteriza por uma certa casualidade e falta de sistematização. A diretoria não pretendia somente criticar o trabalho de seus oficiais de carreira na América Latina, mas o objetivo dessas diretrizes era o de corrigir as suas ações para que elas não fossem superficiais mas sim capazes de: “acertar na mosca”, o que significava revigorar as naturais e imperceptíveis contradições existentes entre os países da América Latina e os EUA, e que tais contradições “fossem possíveis de vitalizar por meio de operações adequadas.”

Com esse objetivo, a seção para a América Latina da StB demonstrou interesse naquelas contradições que “servem de alimento [fontes] a esses sentimentos antiamericanos para um largo círculo de pessoas em cada um dos países da AL. Tratavam-se de diferenças de caráter político, econômico, territorial, ideológico ou qualquer outra que tivesse como essência a política ambiciosa e imperialista dos EUA sobre países da AL …”. Na continuação, é possível ler neste documento que a essência destas contradições torna-se visível em diversos tipos de incidentes, acontecimentos ou escândalos, que incitam sentimentos americanos em países da AL. Segundo foi afirmado, o que mais interessava à StB é de que maneira exatamente estas contradições se manifestavam em cada país e quais eram as possibilidades para que isso fosse aproveitado no âmbito de operações ativas.

Quais dessas contradições possuíam maior ressonância social ou – ao contrário – quais delas ainda não haviam chegado à opinião pública e, após uma pequena intervenção, poderiam tornar-se conhecidas e comentadas amplamente.

Por isso, foram organizadas tarefas concretas para toda a rede de agentes e base de contatos, para que elaborassem relatórios sobre os sentimentos antiamericanos nos países onde atuassem, em base aos seguintes pontos:

1. Quais são os motivos históricos e contemporâneos de sentimentos antiamericanos no país;
2. Quais são os acontecimentos, incidentes ou escândalos concretos que nos últimos tempos mais foram motivo para que os sentimentos antiamericanos no país aumentassem;
3. Por acaso sabem sobre contradições, ações ou pressões por parte dos EUA que por algum motivo não sejam de conhecimento geral, mas que depois de revelados levariam a um aumento dos sentimentos antiamericanos;
4. Em quais camadas da sociedade os sentimentos antiamericanos são mais fortes e por quê.


Ao fornecer tarefas para as rezidenturas do outro lado do oceano, a central deu a entender que para cumprir estas tarefas não era necessário realizar nenhum tipo de operação especial. Tratava-se mais de que cada agente, segundo as suas experiências, elaborasse um relatório. A central concluiu que “como a nossa rede de agentes contém os mais diferentes tipos de pessoas em diversos países, esta operação poderá nos oferecer uma visão interessante, que certamente tornar-se-á nossa fonte de inspiração”.

Como podemos ver acima, os sentimentos antiamericanos na América Latina, é verdade, sempre existiram; mas o serviço de inteligência comunista da Tchecoslováquia pretendia (e assim o fez) incitá-los, vitalizá-los, exacerbá-los, reforçá-los – e isso através de suas próprias ações operacionais. Essas atividades premeditadas tinham como objetivo (o exemplo de Cuba demonstra que este objetivo era, pelo menos potencialmente, realizável) levar a uma reorientação política e geopolítica dos países do continente, países que, em razão de seu posicionamento geográfico e sob uma grande influência de Washington, pudessem estar sujeitos pelo menos a um desequilíbrio nas relações com os EUA. Certamente essas relações eram assimétricas, o que criava um motivo a mais para a tentativa de abalá-las.

A Tchecoslováquia socialista, sendo uma leal aliada (para ser mais exato: um fiel servo) da União Soviética, contribuía ativamente (principalmente através de seu serviço de inteligência) para o enfraquecimento da posição dos EUA na América do Sul – não por ter algum interesse próprio quanto a isso, já que as relações diplomáticas e comerciais com estes países não indicavam que Praga pudesse sequer imaginar em tomar o lugar dos EUA. Era claramente uma tarefa que interessava a Moscou e ao “proletariado mundial”, ergo… à URSS. Sendo assim, podemos ver que a StB de Praga era um prolongamento do braço da KGB de Moscou.
A StB fazia um esforço para realizar as pretensões soviéticas, criando artificialmente no continente americano algo que pudesse causar ou reforçar os sentimentos antiamericanos, formando assim uma situação conveniente para a entrada de um parceiro alternativo – que nessa época seria a União Soviética ou … a China. Segundo os relatórios da StB, sabemos que naqueles tempos os chamados movimentos nacional-libertadores armados que atuavam clandestinamente na AL, realmente recebiam apoio não somente de Havana, mas também de Pequim e Pyongyang (capital da Coréia do Norte).

Naquela época, Moscou (e por isso, também Praga) não queria que a sua política, tanto a oficial como também a não oficial, tivesse alguma relação com apoio ativo para movimentos guerrilheiros nesta região. É claro que ao mesmo tempo Moscou e Praga apoiavam grupos armados na Ásia e na África, mas no que diz respeito à América do Sul, tudo indica que esta forma de ajuda para terroristas “nacional-libertadores” era fornecida por Cuba, China e Coréia do Norte. Isso parece confirmar a tese apresentada pelo antigo espião soviético que fugiu para o Ocidente, Anatoliy Golitsyn, que em seu livro New Lies for Old, publicado em 1984, afirma que, no âmbito de uma grande operação de desinformação planejada, foram criadas falsas divergências entre o comunismo chinês e o soviético, mas, com base nas decisões secretas no final dos anos 50, de fato foi feita uma política comunista coordenada que consistia em uma certa divisão de trabalho, sendo que esta divisão foi mantida em segredo.

Em outras palavras – oficialmente existia uma divisão entre Moscou e Pequim, no que o mundo inteiro acreditou, mas, não oficialmente, foi realizada uma política que foi combinada e que se auto complementava. Como se sabe, naqueles tempos, a grande maioria dos grupos guerrilheiros seguiam uma ideologia comunista próxima ao maoismo. Essa era uma manifestação bem radical de atitude antiamericana e, sendo assim, também estava de acordo com o cenário realizado pela StB, mesmo que Praga, inclusive em suas próprias atividades secretas, não apoiasse esta forma de “sentimentos antiamericanos” – aqui nos referimos concretamente à AL. Entretanto, Praga apoiava ativamente ao regime de Havana e, este… sem nenhum tipo de escrúpulos, fornecia armas aos guerrilheiros, o que a StB sabia muito bem. Sendo assim, ao que parece, a tese provocadora e bem audaciosa de Golitsyn é bem justificada.

Através da leitura das pastas da StB, sabemos sobre algumas concretas operações ativas que eram uma consequência dessas instruções citadas acima – ou seja, em base aos materiais reunidos, foi realizada uma operação que tinha como objetivo, por ex. desabonar o diplomata americano e, graças a isso, os sentimentos antiamericanos foram reforçados. Esta ação foi uma operação bem sucedida de desinformação executada pela StB e direcionada contra uma pessoa em concreto (Thomas Clifton Mann), com base em informações falsas, elaboradas em Praga, e que foram apresentadas como sendo de autoria de Thomas C. Mann. Encontramos mais casos como esse – por ex. inclusive foi usada a questão de café artificial, o que principalmente no Brasil – que na época dependia fortemente da produção e exportação de café natural – era um tema delicado.

O serviço de inteligência tchecoslovaco colocou em circulação a informação de que os americanos pretendiam introduzir no mercado um tipo de café totalmente artificial, com o objetivo de destruir este importante ramo da agricultura brasileira. Isto deveria causar desconfiança contra Washington nos círculos dos grandes plantadores de café. Desta maneira, foi feito um esforço para controlar os sentimentos da burguesia nacionalista, que então no Brasil era muito influente. Neste caso, os dados reais sobre a produção de café instantâneo foram levemente modificados, causando confusão com a ajuda da tese de que o café natural já não será mais necessário.

Como podemos ver, para a realização de guerra ideológica foram usadas mentiras, manipulações e desinformação. Tentava-se incitar e aumentar os sentimentos antiamericanos existentes, modificando assim as suas reais dimensões, ou inclusive criando algo que na realidade não existia. Voltando à tese de Golitsyn, existe ainda uma coisa para refletir – enquanto os métodos “cubano-chineses” demonstraram ser pouco eficazes (trata-se da eficácia da luta de guerrilha, ações terroristas de diferentes grupos), os resultados de ações mais sofisticadas dos serviços de inteligência comunistas da linha de Moscou estão presentes no continente até hoje.

Logicamente, não se pode ignorar (em muitos casos) nem a política mal sucedida dos EUA, nem os erros de Washington que muitas vezes beiram ao idiotismo, mas é uma questão para analisar se por acaso erros como esses, em condições normais, seriam suficientes para formar uma opinião generalizada tão negativa, como essa que os EUA possuem na AL até hoje. Não é possível, pois, negar o fato de que neste campo houve a atuação ativa de pelo menos alguns serviços de inteligência comunistas, com a KGB e a StB à frente.

Texto: http://stb.cepol24.pl/instrucoes-da-stb-sobre-o-antiamericanismo-nos-respectivos-paises-da-america-latina-ano-de-1963


Instruções da KGB/StB sobre o antiamericanismo nos respectivos países da América Latina:

Ações da KGB no Brasil, ou seja, algo que, segundo a opinião dos editores brasileiros da Wikipédia, nunca existiu. Pouco tempo atrás (outono no Brasil e primavera na Europa, em 2016), os editores brasileiros da Wikipédia retiraram das páginas desta respeitável enciclopédia virtual, o artigo chamado: “Ações da KGB no Brasil,” que descrevia o interesse operacional do serviço de inteligência soviético no Brasil, argumentando que nada disso existiu; que não existe nenhuma prova de fontes confiáveis, que o texto propaga uma teoria da conspiração e que não está de acordo com os “princípios seguidos por esta enciclopédia” e, por isso, não tem o direito de existir nas suas páginas.

Eu já reagi no Facebook em tcheco, polonês e português, contra esta incrível demonstração de burrice e total ignorância, chamando a atenção dos editores brasileiros da Wikipédia, para que fizessem um mínimo de esforço intelectual e consultassem pelo menos a Internet russa, para que se convençam de que não há dúvidas sobre a atuação do serviço secreto de inteligência soviético, a KGB, na América Latina e no Brasil e, de que ninguém esconde este fato; os russos inclusive gostam de se gabar por isso. Talvez eu esteja enganado, mas provavelmente até agora nenhum dos censores da Wikipédia brasileira fez essa consulta, caso contrário, teriam simplesmente recolocado o artigo eliminado. Por sorte, enquanto existir o artigo “KGB” em português, os usuários brasileiros da Wikipédia podem, pelo menos, saber que a inteligência civil soviética existiu nos tempos do comunismo e que provavelmente atuou...

Bem, isso já é alguma coisa! Para que não haja nenhuma dúvida de que a KGB também estava interessada pelo Brasil e que esse interesse consistia concretamente em trabalhos de espionagem no território deste país, citarei alguns dados e descreverei o caso de um espião. Estes dados procedem de fontes abertas, ao contrário das atividades do serviço de inteligência comunista tchecoslovaco descritas por mim e pelo colega Mauro “Abranches”. Aqui neste caso, não podemos usar documentos do arquivo da KGB, pois este continua indisponível ou de difícil acesso; seus documentos são disponibilizados (ao contrário dos dados do arquivo da inteligência tchecoslovaca – StB) sucessivamente, parcialmente e raramente.
Para que até mesmo os censores brasileiros da Wikipédia possam compreender, descreverei o caso de uma forma simples e clara (para que qualquer um tenha chance de entender do que se trata, inclusive os mais ignorantes e com pouca formação), sobre o que é possível saber e onde isso pode ser encontrado.

Não é nada que ultrapasse as possibilidades intelectuais de um simples usuário da internet. A minha esperança é que talvez, inclusive aquelas pessoas que deveriam ler este texto - ou seja, os censores brasileiros da Wikipédia - entendam alguma coisa. Texto: http://stb.cepol24.pl/novamente-sobre-acoes-da-kgb-no-brasil

Ações da KGB no Brasil. Quem é anti-americano é por evidência e pesquisa
ou por manipulação/alienação Imagem: https://www.facebook.com/AnonymousBr4sil/photos/a.332941190125772.79747.332934666793091/1208556865897529/

Operações da KGB/StB no Brasil:
https://www.facebook.com/AnonymousBr4sil/videos/1208538029232746/

Os Ilegais e conexões da KGB no mundo:
https://www.facebook.com/AnonymousBr4sil/videos/1208520632567819/

"Como podemos ver acima, os sentimentos antiamericanos na América Latina, é verdade, sempre existiram: https://www.facebook.com/AnonymousBr4sil/posts/1190162761070273

Ações da KGB no Brasil, ou seja, algo que, segundo a opinião dos editores brasileiros da Wikipédia, nunca existiu: https://www.facebook.com/AnonymousBr4sil/posts/1197677953652087


Operações da KGB/StB no Brasil:
http://www.anonymousbr4sil.net/2016/11/operacoes-da-kgbstb-no-brasil.html


Site: http://cepol24.pl/stb_html

Página: https://www.facebook.com/brasilstb/

Canal: https://www.youtube.com/channel/UCFPyOmgfyUapNv_iqnP-eMA/videos

A esquerda brasileira quer definir o que você pensa. E com dinheiro
de bilionário. É você que pensa ou é o George Soros que pensa por você? Imagem: https://www.facebook.com/AnonymousBr4sil/photos/a.332941190125772.79747.332934666793091/1145513022201914/ 

Com base em + uma lei da esquerda, Marco Civil, + um APP (Waze) pode ser banido do Brasil: https://www.facebook.com/AnonymousBr4sil/photos/a.332941190125772.79747.332934666793091/1175795952506954/



Assista ao vídeo Os Ilegais e conexões da KGB no mundo








Assista ao vídeo Operações da KGB/StB no Brasil






























0 Comentários
 
Topo